Estado e Reprodução Social

Código: PGPS-08820
Curso: Mestrado em Política Social
Créditos: 4
Carga horária: 60
Ementa: As concepções teóricas da natureza do Estado. As teorias contratualistas. Estado e classes sociais. Estado e acumulação de capital. O Estado do Bem-Estar Social e o desenvolvimentista. A crise do Estado intervencionista. A globalização e o Estado neoliberal.
Bibliografia: ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 9ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984. Capítulo IX: "Barbárie e civilização" (14p).
CLASTRES, P. A Sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac&Naify, 2003, p.205-34.
HOBBES, Thomas. Leviatã ou Matéria, forma e poder de um Estado Eclesiástico e Civil. São Paulo: Abril Cultural, 1978. Col. Os Pensadores (Cap. XVII e XVIII, p. 59 a 65).
LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo: Abril Cultural, 1978. Col. Os Pensadores. (Cap. II - Do estado de natureza, p. 35-39, Cap. V - Da propriedade, p. 42-49, Cap. VII - Da sociedade política ou civil, p.56-61, Cap. IX - Dos fins da sociedade política e do governo, p. 69-70, Cap. XII - Dos poderes executivo, legislativo e federativo da comunidade civil, p. 74-76).
ROUSSEAU, J.J. Do contrato social. São Paulo: Abril Cultural, 1978. 2ed. Col. Os Pensadores. (Livro I, p.21-39; Livro III, p. 73-94).
FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e liberdade. São Paulo: Nova Cultural, 1985. 2ed. Col. Os Economistas. (Cap. I e II, p. 17-41).
ROTHBARTH, Murray. A anatomia do Estado. São Paulo: Mises Brasil, 2009 (33p).
KEYNES, J.M. "O fim do Laissez-Faire". Disponível em: https://pt.scribd.com/document/210274960/O-FIM-DO-Laissez-Faire-Keynes (8p).
PRADO, E.F.S. "(Neo)liberalismo: da ordem natural à ordem moral". Outubro, n.18, 2009 (24p).
MARX, Karl. "Introdução de 1857". IN: Para a Crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, 1982, p.3-21.
______. Sobre a Questão Judaica. São Paulo: Boitempo, 2010, p.33-60.
______. Crítica ao Programa de Gotha. São Paulo: Boitempo, 2012, p.24-48.
Marx, K., Engels. F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2007. p.29-50; p.75-77.
Marx, K. O Capital: crítica da economia política. Livro I, Tomo II. São Paulo: Nova Cultural, 1996, cap.24.
LENIN, V.I. O Estado e a revolução. In: Obras Escolhidas, Vol. 2. São Paulo: Alfa-Omega, 1980. (Cap. I, p. 7-18 e Cap. III, p.27-40).
GRAMSCI, A. "Americanismo e Fordismo". In: Cadernos do Cárcere. Vol. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, p.241-282.
ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. Lisboa: Presença, p.7-52.
POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder o socialismo. Rio de Janeiro: Graal, 1978, p.13-54.
MILIBAND, R. O Estado na Sociedade Capitalista, Rio de Janeiro: Zahar, 1972. Introdução, p.11-35.
BERNARDO, J. Economia dos Conflitos Sociais. São Paulo: Expressão Popular, 2009. Item 3.2. "Estado Restrito e Estado Amplo", p.176-197.
PASHUKANIS, E. A teoria geral do direito e o marxismo e ensaios escolhidos (1921-1929). Editora Sundermann, Coleção Ideias Baratas, SP, 2017, Capítulos 2 (p.97-110) e 4 (p.137-164).
EDELMAN, B. O direito captado pela fotografia: elementos para uma teoria marxista do direito. Trad. Soveral Martins e Pires de Carvalho, Coimbra, Centelha, 1976, Capítulo 3 (p.40-90).
HIRATA, Helena. O Estado como abstração real? Estudos CEBRAP 26, São Paulo, 1980.
MATHIAS, Gilberto e SALAMA, Pierre. O Estado super-desenvolvido. Das Metrópoles ao Terceiro Mundo. São Paulo: Brasiliense, 1983. (Primeira Parte, p. 13-43; Segunda Parte, p. 45-88).
NAKATANI, Paulo. Estado e acumulação do capital. Discussão sobre a teoria da derivação. Análise Econômica, Porto Alegre, ano 5, n.8, 1987, p. 35-64.
SALAMA, Pierre. Estado e Capital: O Estado capitalista como abstração real. Estudos CEBRAP 26, São Paulo, 1980 (37p).
GONZÁLEZ, J.L.S. El Estado como categoría de la crítica marxista de la econompia política: el debate sobre la "derivación". IN: Naturaleza y forma del Estado capitalista. Buenos Aires: Herramienta, 2016.
ESPING-ANDERSEN, Gosta. As três economias políticas do Welfare-State. LUA NOVA. no. 24, setembro de 1991. São Paulo: Marco Zero e CEDEC, 1991. (p.85-116).
VON MISES, L. Uma crítica ao intervencionismo. Rio de Janeiro: Nórdica, 1977. “O Intervencionismo” p. 13-19; “A Destruição Resultante da Intervenção” p. 29-36. “A Doutrina do Intervencionismo” p. 36-43; “Liberalismo e Liberalismo Social” p. 82-88; “Controle ou Lei Econômica” p. 88-92.
HAYEK, F.A. O caminho da servidão. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990, p.66-100.
MANDEL, E. Capitalismo tardio. Lisboa: Antídoto, 1977. Capítulo 15: "O Estado na Fase do Capitalismo Tardio", p.333-351.
MAZZUCCHELLI, F.; BRAGA, J.C.S. Notas introdutórias ao capitalismo monopolista. Revista de Economia Política, v.1, n.2, 1981 (9p).
HORKHEIMER, M. El Estado Autoritario. Ciudad de Mexico: Itaca, 2006 (32p).
KURZ, Robert. O colapso da modernização. Da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. Capítulo 8 - "O fracasso da modernização" e Capítulo 9: "A crise do sistema mundial produtor de mercadorias", p.165-222.
MILIOS, J.; SOTIROPOULOS, D.P. "Financeirização:
Disciplina do Mercado ou Disciplina do Capital?". Disponível em: https://eleuterioprado.files.wordpress.com/2016/05/financeirizac3a7c3a3o... (17p).
OLIVEIRA, F.C.C. O Estado e o Urbano no Brasil. Espaço & Debates, n.6, jun-set 1982 (19p).
PAULANI, L.M. A inserção da economia brasileira no cenário mundial: uma reflexão sobre a situação atual à luz da história. Boletim de Economia e Política Internacional, v. 10, p. 89-102, 2012.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910