Trabalho Assalariado: as condições de trabalho dos Assistentes Sociais do SUAS no Município de Teófilo Otoni-MG

Nome: Amanda Silva de Jesus
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 26/05/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Silvia Neves Salazar Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Ana Cristina Oliveira de Oliveira Examinador Externo
Jeane Andreia Ferraz Silva Examinador Interno
Silvia Neves Salazar Orientador
Soraya Gama de Ataide Prescholdt Examinador Interno

Resumo: Na atual crise do capital que expressa o aprofundamento do desmonte das políticas sociais e de intensificação, superexploração e precarização do trabalho, torna-se indispensável avançar nos estudos sobre o trabalho dos assistentes sociais, refletindo as possibilidades e alternativas para formulação de propostas de ações que visem à defesa dos direitos sociais. O Serviço Social como profissão está inserida na divisão social e técnica do trabalho, e este profissional, como um trabalhador assalariado, sofre as refrações e precarização desse processo. Este estudo parte da hipótese de que o processo da reestruturação produtiva vem atingindo o campo de trabalho do assistente social, tanto na sua mudança ou redefinição, como a seguridade social e especificamente a política de Assistência Social vem sofrendo impacto por esse processo. A pesquisa tem como objetivo central analisar as condições e relações de trabalho no cotidiano profissional do assistente social, inserido no Sistema Único de Assistência Social (SUAS), no município de Teófilo Otoni- MG no ano 2016. Por meio de uma ampla análise de dados e informações coletadas em pesquisa bibliográfica, documental e entrevistas com as/os assistentes sociais inseridos nessa política no referido município, procurou-se analisar especificamente como as condições de trabalho contemporâneas tem incidido no projeto profissional do assistente social e na sua prática profissional, identificando as tensões entre projeto profissional e alienação do trabalho assalariado. O fio condutor de toda nossa pesquisa voltou-se para dois elementos: o primeiro onde buscamos caracterizar as condições objetivas (documentos contratuais, salários, ambiente de trabalho, tempo de trabalho dentre outras), do assistente social inserido na política de Assistência Social no município de Teófilo Otoni, como trabalhador assalariado, analisando os reflexos dessas condicionalidades no cotidiano de trabalho. O segundo elemento, intrinsecamente articulado ao primeiro, buscamos analisar as condições subjetivas do trabalho da/o assistente social (enquanto ser social que é dotado de humanidade refletida em emoções, identidade, aspectos psicológicos), a partir da visão desses sujeitos a respeito de suas condições de trabalho. Evidencia-se que analisar as condições de trabalho do assistente social é entender, que este trabalha cotidianamente com as expressões da questão social oriunda da sociedade capitalista que desumaniza o próprio homem pelas condições de barbárie social que lhe impinge. Assim, este profissional não só trabalha com as expressões da questão social, como também, as sofre enquanto segmento da classe trabalhadora. Dessa forma, conclui-se que os profissionais assistentes sociais sofrem os rebatimentos da precarização do trabalho, sendo superexplorados e tendo sua vida afetada por tais condições.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910