Intercâmbios institucionais

Os intercâmbios são fundamentais para a ampliação de nossa inserção nacional. O PPGPS mantém intercâmbios com Programas de Pós-Graduação nas áreas de Serviço Social, Política Social e Economia. Esses intercâmbios ocorrem por meio de pesquisas conjuntas, publicações em co-autoria, participação em bancas de qualificação e defesa de dissertações e teses e realização de atividades conjuntas (palestras, cursos, seminários, entre outras).

Abaixo listamos algumas das mais importantes parcerias e pesquisas em andamento dentro do PPGPS com financiamento de agências nacionais e internacionais de fomento à pesquisa, em cooperação com redes de pesquisa internacionais e nacionais e que contam com a participação de docentes do programa como participantes e coordenadores no Brasil dos projetos.

Projeto 1. Early Child Development
Cooperação entre PPGPS, University of Western Cape, Coventry University e Universidade de Havana (Edital Capes Print).
Em torno do tema Early Child Development, o projeto vem realizando (desde 2019) uma agenda de Seminários e missões de trabalho. Desse processo resultou a elaboração do termo de cooperação entre Ufes e University of Western Cape (nova parceira) e a ratificação da permanência do Intercâmbio entre Coventry University (Reino Unido) e UFES, além da inclusão da Keele University e da StrathClyde University. Essa cooperação o PPGPS amplia o número de docentes e discentes envolvidos nessa cooperação, e o fortalecimento da linha de pesquisa Política Social, Subjetividade e Movimentos Sociais.

Projeto 2. Estudos comparados em políticas públicas e desenvolvimento
Cooperação entre Université Paris 13 - Centre d’Économie Paris Nord (CEPN), Institute Research Économiques Et Sociales – IRES, Université Paris 1 – Panthéon Sorbonne e Lingnan University – Hong Kong. Essa cooperação o PPGPS amplia o número de docentes e discentes envolvidos nessa cooperação, e o fortalecimento da linha de pesquisa Reprodução e estrutura do capitalismo contemporâneo.

Projeto 3. Observatório Internacional de la crisis
Parceria entre o PPGPS e o Observatório Internacional de la crisis - envolve professores do programa em um trabalho que se realiza em cooperação com outros participantes do Brasil, da Espanha, da Costa Rica, da Nicarágua e da França, com apoio e financiamento da Fundação Guido Piccini, da Itália. Um dos resultados dessa parceria foi a publicação de três livros, com edições em Espanhol, Espanhol/Inglês, Italiano e Português. Em 2016, fundou-se o Observatório Internacional da Crise (http://www.observatoriodelacrisis.org/) e, em janeiro de 2017 foi realizado um seminário dirigido pelos professores Paulo Nakatani e Rémy Herrera, para jovens da Conféderátion Nationale du Travail, CGT, em Paris.
Esta parceria envolve os seguintes projetos de pesquisa da linha 1: a) Estudos comparados em políticas públicas e desenvolvimento; b) Estudos sobre dinheiro mundial e financeirização.

Projeto 4. Cooperação Acadêmica com a Universidad Autonoma Metropolitana, Unidad Xochimilco (México, UAM-X)
Acordo para a Cooperação Acadêmica com a Universidad Autonoma Metropolitana, Unidad Xochimilco (México, UAM-X) assinado em 30/10/2017, envolvendo como coordenadores o professor Luciano Concheiro Bórquez na UAM-X e a professora Renata Couto Moreira na UFES, coordenadora do Grupo de Estudos Marxistas da Dependência – Coletivo Anatália de Melo. Prevê a cooperação acadêmica entre as instituições por meio de intercâmbios de docentes, pesquisadores e discentes, participantes dos grupos de pesquisa e dos programas de Pós-graduação da cooperação, elaboração conjunta de projetos de pesquisa, organização conjunta de eventos científicos e culturais, intercâmbio de informações, cursos e disciplinas compartilhados, assim como publicações acadêmicas.
Observação: Esta cooperação foi suspensa em setembro de 2020, em função de que a docente responsável pelo acordo se desligou do programa.

Projeto 5. Cooperação internacional com Portugal; Espanha; Chile; Argentina; Colômbia e Costa Rica (Edital Universal CNPq)
A cooperação envolve Pesquisa intitulada “O Movimento de Reconceituação do Serviço Social na América Latina (Argentina, Brasil, Chile, e Colômbia): determinantes históricos, interlocuções internacionais e memória”. O projeto propõe-se a tratar a história recente do Serviço Social, nas décadas de 1960 a 1980, caracterizada por movimentos contestatórios às suas bases conservadoras, com centralidade no Movimento de Reconceituação do Serviço Social latino-americano e respectivas interlocuções internacionais. Esta pesquisa congrega vinte pesquisadores de distintas instituições universitárias latino-americanas e europeias, articulando uma rede internacional de pesquisa em fundamentos do Serviço Social, que justifica a amplitude desta proposta. Pretende-se apreender tanto a unidade do Movimento de Reconceituação do Serviço Social na história da América Latina quanto suas particularidades nacionais considerando seus antecedentes, expressões e desdobramentos. Isto implica o resgate de seus determinantes históricos, da memória dos sujeitos participantes e sua relação com movimento similares ocorridos no mesmo período na Europa e na América do Norte denominados de Serviço Social Crítico e Serviço Social Radical. O interesse recai sobre os fundamentos históricos e teórico-metodológicos do Serviço Social na história, as experiências de formação universitária e de pesquisa exemplares, identificando incidências no exercício profissional nos países considerados. Na América Latina serão focalizados Argentina, Brasil, Chile e Colômbia ressaltando os vínculos políticos e profissionais com as lutas desenvolvidas pelas classes subalternas. Na Europa o destaque volta-se a Portugal e Espanha e na América do Norte, EUA e Canadá. A pesquisa registrada e financiada pelo CNPq no edital 2016, prevê para um período de 04 anos a realização de simpósios, seminários, trabalho de campo com entrevistas gravadas e filmadas, pautadas na técnica de história oral e pesquisa documental resgatando a memória coletiva do período (1960–1980). O projeto realizou em 2019 o VI Seminário Internacional e IV Simpósio Internacional de pesquisadores na UFJF.

Projeto 6. Transforming Trajectories of Vulnerability: Re-examining Education Achievement (2019-RLWK11-10591)
Edital British Council
Cooperação entre Coventry University e PPGPS, esse projeto é uma das derivações do projeto Early Child Development, com abertura de cooperação com o Centre for Global Learning: Education and Attainment (GLEA).

Projeto 7. Shaping global urban environments for today and tomorrow: Internationalisation of researcher development and doctoral provision in strategic research areas through a Brazil/UK collaboration. Edital British Council
Cooperação entre Coventry University e PPGPS, esse projeto é uma das derivações do projeto Early Child Development, com abertura de cooperação com o Centre for Global Learning: Education and Attainment (GLEA).

Projeto 8. A saúde mental dos empreendedores das favelas em tempos de pandemia (Edital FAPES nº 03/2020 - Edital de Avaliação de Demanda Induzida – COVID-19)
Trata-se de pesquisa envolvendo Parceria internacional – UFES, Coventry University (Reino Unido) e Ivano-Frankivsk National (Ucrânia), como parte das pesquisas desenvolvidas dentro do edital Capes Print e edital "Universities of the World" project 2019 (British Council). O mote aqui é a oportunidade impar de realizar pesquisa e contribuir com elementos que possam melhorar a saúde mental dos micro empreendedores das favelas brasileiras.
A premissa de nossa pesquisa é que, no Brasil, existe uma lacuna na provisão de ações e serviços no campo da saúde mental com foco em microempreendedores (formais e informais). Investigaremos essa hipótese, inicialmente focando nos microempreendedores das favelas brasileiras. Para tanto, utilizaremos a escala de Warwick-Edinburgh, já validada na versão em português.
Sabemos que os empreendedores podem ser um grupo de risco para problemas de saúde mental (Freeman, 2015) e estamos interessados em saber até que ponto isso é verdade em ambientes informais como nas Favelas. No contexto acima, estamos particularmente interessados nos empreendedores da Favela, que permite que suas comunidades funcionem, além de assegurar o sustento da família.
Considerando a desigualdade social brasileira, a alta taxa de desemprego e a crescente informalidade do trabalho à qual estão expostas muitas famílias; a pandemia pelo COVID 19 incide sobre as famílias que residem nas favelas no Brasil em uma realidade já marcada por pobreza e dificuldades de acesso a direitos sociais.
A redução da demanda comercial provocará um impacto econômico e esse impacto econômico levará a uma desaceleração da economia como um todo. A pandemia fornece assim, um momento adicional e único de reflexão em torno dos tema de pesquisa aqui proposto e, em particular, a disponibilidade de apoio geral e direcionado para permitir que esses empreendedores mantenham sua saúde e bem-estar mental e continuem suas atividades empresariais. Por outro lado, os resultados da pesquisa possibilitarão a produção de recomendações de ações junto a esse segmento.

Projeto 9. Mortalidade infantil em tempos de austeridade: Brasil, África do sul, Reino Unido e Cuba (Edital Universal CNPq)
Essa proposta é parte de uma cooperação internacional envolvendo pesquisadores do PPGPS da Ufes, da Universidade de Coventry (Reino Unido), Universidade do Oeste da Cidade do Cabo e a Universidade de Havana (Cuba). Nessa cooperação temos investigado aspectos que envolvema Primeira Infância (Early Child Development). Para este projeto que submetemos ao edital Universal, definimos como objetivo analisar a relação entre mortalidade na infância, entre 2010 e 2020, e programas que interferem nesse indicador, considerando as medidas de austeridade fiscal implantadas.

Projeto 10. Gastos com as internações compulsórias por consumo de drogas no estado do ES (Financiamento FAPES)
No interior da guerra às drogas no contexto brasileiro, ganha destaque o discurso moral-legal e como alternativa de superação a estratégia é dada pela via da fé. Esse discurso se constitui em uma conjuntura de expansão das igrejas pentecostais – principais organizadoras no Brasil das CRTS. E o crescimento do investimento do Estado brasileiro nessas instituições tem sua defesa estruturada no Congresso Nacional, por meio da ação de uma Frente Parlamentar Mista em Defesa das Comunidades Terapêuticas, Acolhedoras e Apacs (associações de Proteção e Assistência aos Condenados) (BASILIO-DENADAI, 2015).
De um lado, a defesa intransigente da frente parlamentar, de outro, o rechaço ao financiamento das comunidades terapêuticas, manifestado tanto pelos participantes da IV Conferência Nacional de Saúde Mental (2010) quanto da XIV Conferência Nacional de Saúde (2011). Há, ainda, a resistência apresentada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) que advoga a ausência de evidência científica da eficácia do tipo de tratamento ofertado nas CTRs.
O que se evidencia aqui são as disputas que atravessam esse cenário: aspectos morais, culturais, sanitários, econômicos, psíquicos. Há, ainda, e isso não pode ser esquecido, as dimensões individual e coletiva de sofrimento. E, nesse processo, todos questionamos: “Qual o papel do Estado brasileiro nessa questão?”. Reemerge a defesa da iniciativa privada (com ou sem fins lucrativos) como necessária no âmbito do enfrentamento ao crack. Mas, se buscarmos a questão do financiamento da saúde mental, veremos que estamos longe de alcançar a meta proposta pela OMS (5% do orçamento geral da Saúde). E mais, o MS informa que a rede de serviços existente cobre 72% da demanda da área. O princípio da universalidade de acesso é, assim, negado cotidianamente. Mas também desconhecemos se o que existe responde ao direito do usuário de ter acesso ao melhor serviço conforme a sua necessidade. Que resultado uma internação prolongada em uma Comunidade Terapêutica alcança? Não há dados disponíveis que respondam a essa indagação. E, nesse contexto, outra pergunta que precisa ser respondida é o valor gasto com esse procedimento no estado do Espírito Santo e como isso está colocado na disputa do financiamento dos serviços da Rede de Atenção Psicossocial.

Projeto 11. Alterações político-econômicas contemporâneas na América Latina e impactos nas políticas de seguridade social e educação: o caso do Brasil, de Cuba e do Chile (Financiamento CNPq, Edital Universal)
Tem como objetivo consolidar a constituição de uma rede de cooperação científico-acadêmica entre Programas de Pós-Graduação nacionais e internacionais articulando as áreas de Serviço Social e Economia em torno dos eixos temático da proteção social e das políticas de educação no Brasil, em Cuba e no Chile, tendo em vista elevar o padrão de qualidade da formação de profissionais em nível de pós-graduação, elevar a produção científica desses Programas e contribuir com subsídios para a qualificação dos Cursos de Graduação dessas áreas nas Instituições de Ensino Superior parceiras.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910